Etiqueta: Cultura e Bens Culturais

08 Jan 2024

Epifania do Senhor celebrada na Catedral de Évora com Eucaristia e com Concerto de Reis (com Vídeo e Fotos)

Na tarde de domingo, dia 7 de Janeiro, na Catedral de Évora, pelas 16h, o Arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, presidiu à celebração da Eucaristia da Solenidade da Epifania do Senhor.

A Eucaristia foi animada liturgicamente pelos Arautos do Evangelho e contou com a participação de muitos fiéis, que lotaram a Catedral.

À homilia, o Prelado eborense referiu-se à Epifania como “a revelação do rosto misericordioso e compassivo de Deus a toda a Humanidade”.

“Se na Solenidade do Natal a Luz de Belém brilhou para os de casa, os pastores das campinas de Belém, inseridos na cultura em que o Verbo de Deus encarnou, na Solenidade da Epifania a Luz de Belém interpela os de longe, os de fora, os mais distantes. Os Magos são aqueles que encarnam todas as culturas diferentes, expressões de busca de verdade por caminhos diversos”, disse, acrescentando que “a astrologia dos magos descobriu uma estrela diferente que os levou à revelação inimaginável de um Deus humanizado na Luz de Belém, celeiro do pão nas sendas da paz. A estrela do Magos venceu todas as dificuldades e todos os silêncios, levando-os ao encontro da Luz das Nações e dos Povos”.

“Celebrar a Epifania é comprometer-se com a revelação da beleza de Deus entre os de mais longe, entre todas as periferias existenciais e sociais. Periferias que podem marcar diferenças culturais, ideológicas, estéticas, morais e espirituais”, apontou.

“A solenidade da Epifania é uma eloquente cátedra com propostas e desafios de tolerância, respeito, valorização da diferença enquanto riqueza humana e complementaridade cultural e social. Só pela valorização dos talentos e das diferenças do outro se pode chegar à paz e à harmonia da convivência humana e fraterna”, sublinhou.

“Afinal aos pés da manjedoura e na companhia dos Magos nos encontramos na grande causa da humanização enquanto pedra basilar na construção da paz. Quanto a aprender para o nosso quotidiano”, disse, acrescentando que os “acolhimentos nas diferenças intergeracionais: a valorização e aprendizagem com os gritos de insatisfação e de exigência da verdade vindos das novas gerações. Precisamos que os jovens sejam jovens e não desistam  de nos exigirem  uma Igreja família, verdade e transparência”.

“No contexto deste interior sul ribatejano e centro alentejano surge a real necessidade da renovação da mão de obra para tantos serviços que já não encontram resposta no tecido social atual. Receber os imigrantes não é um favor mas uma necessidade urgente para muitas das tarefas que já não encontram resposta nas populações locais”, referiu o Arcebispo de Évora, sublinhando: “eis o desafio concreto e já em nossas terras, vivermos e convivermos com a diversidade de muitos que nos chegam do extremo oriente, como Nepal, Índia, Bangladesh, Paquistão e de outras distantes nações”.

“Desafios interculturais, inter-religiosos, de integração e respeito são nos colocados de modo crescente e em futuro previsível. Eis a atualidade desta solenidade da Epifania aqui e agora”, concluiu D. Francisco José Senra Coelho.

Depois da Eucaristia, os Arautos do Evangelho interpretaram um Concerto de Reis, que pode ser revisto aqui:

 

 

 

14 Dez 2023

16 de dezembro, às 18h, na Catedral de Évora: Concerto de Natal

O Cabido da Sé de Évora e a Althum.com organizam o Concerto de Natal de 2023 da Sé de Évora, que terá lugar dia 16 de dezembro, às 18 horas, com o organista João Vaz e com o Capella de S. Vicente dirigido por Pedro Rodrigues.
Será interpretado o Magnificat quinti toni, de Duarte Lobo (c. de 1565 – 1646), extraído dos Cantica Beatae Mariae Virginis, impressos em Antuérpia em 1605.
Este concerto incluirá também excertos da Missa Natalitiae noctis, de Duarte Lobo, e peças para órgão de Manuel Rodrigues Coelho (seu contemporâneo), executadas no instrumento
renascentista da Sé de Évora. Aluno de Manuel Mendes em Évora, Duarte Lobo foi mestre de capela da Catedral desta cidade, vindo a fixar-se mais tarde em Lisboa.
A entrada no concerto é livre, mediante reserva obrigatória para info@althum.com / n.º 919 745 338, de acordo com a disponibilidade do espaço.
O concerto conta com o apoio financeiro de Direção Regional de Cultura do Alentejo, Fundação Eugénio de Almeida e Fundação Casa de Bragança, entre outros apoios.
Iniciativa organizada por Cabido da Sé de Évora e Althum.com tem apoio da DRCAlentejo 
14 Dez 2023

Vila Viçosa: Lançamento do livro “Padroeira de Portugal. Mulher, Mãe e Rainha: 375 anos da coroação de Nossa Senhora da Conceição – Estudos”

A obra coordenada pelos doutores Marco Daniel Duarte e José Paulo de Abreu foi apresentada, no passado dia 9 de dezembro, no Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Vila Viçosa. A mesa contou com a presença do Núncio Apostólico em Portugal, Monsenhor Ivo Scopolo, do Arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, de representantes dos Santuários de Vila Viçosa, Fátima e Sameiro, e do Presidente da Direção do IPPEM, Dr. Carlos Filipe.
Marcaram presença representantes da Igreja Católica, representantes institucionais, académicos e representantes do poder autárquico local. Estiveram igualmente presentes SAR Dom Duarte, duque de Bragança e a sua esposa, SAR D. Isabel de Herédia.
A apresentação ficou a cargo da Doutora Fátima Eusébio, recentemente nomeada como Presidente do Secretariado Nacional dos Bens Culturais da Igreja
Esta publicação é o resultado de um conjunto de estudos da autoria de investigadores nacionais e estrangeiros, apresentados durante o Congresso Internacional Mulher Mãe e Rainha, realizado em março de 2022, em Fátima, com diferentes contributos para as diversas áreas do saber teológico, histórico, direito, sociológico e antropológico.
A obra agora apresentada, encontra-se disponível através do secretariado do Instituto da Padroeira de Portugal.
Mais informações em:
www.ippem.pt

07 Dez 2023

9 de dezembro, às 15h, em Vila Viçosa: Lançamento do Livro “Padroeira de Portugal. Mulher, Mãe e Rainha: 375 anos da coroação de Nossa Senhora da Conceição”

O Instituto da Padroeira de Portugal para os Estudos da Mariologia, vem publicamente dar conhecimento, que irá realizar o lançado do livro, “Padroeira de Portugal. Mulher, Mãe e Rainha: 375 anos da coroação de Nossa Senhora da Conceição”.

A obra coordenada pelos doutores Marco Daniel Duarte e José Paulo de Abreu, será apresentada no próximo dia 9 de dezembro, no Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Vila Viçosa pelas 15 horas, com a presença de ilustres convidados, aberto ao público em geral.

Esta publicação é o resultado de um conjunto de estudos da autoria de investigadores nacionais e estrangeiros, apresentados durante o Congresso Internacional Mulher Mãe e Rainha, realizado em março de 2022 em Fátima, com diferentes contributos relativos às da Mariologia, da Teologia e da Bíblia; da Religiosidade Popular; das Associações de Fiéis e das Ordens Religiosas (impulsionadoras em tantos casos, da devoção à Virgem Maria); do Direito Canónico; da Antropologia e da Sociologia, História da Arte e da História da Igreja; da História de Portugal e até da História Universal.

06 Dez 2023

7 de dezembro, às 12h, Eucaristia presidida pelo Arcebispo: Igreja do Mosteiro de São Bento de Cástris volta a abrir as suas portas à comunidade eborense

A Igreja do Mosteiro de São Bento de Cástris volta a abrir as suas portas à comunidade, com a realização de uma celebração Eucarística no próximo dia 7 de dezembro, quinta-feira, pelas 12.00 horas, presidida pelo Arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, informa a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA).

“Esta celebração, que se reveste de grande significado religioso, social e cultural, é aberta a toda a população”, refere a DRCA na nota de imprensa enviada às redações.

A fundação desta igreja monástica erguida sobre uma antiga ermida dedicada a S. Bento, data de 1328.

O monumento perdeu a sua vocação inicial em 1890, data da morte da última freira, Joana Isabel Baptista, tendo passado para a posse do Estado. Desde essa data até à atualidade teve várias utilizações, tendo servido até 2005, como Casa Pia masculina.

A igreja, o mosteiro e a cerca estão classificados como Monumento Nacional pelo Decreto-lei 8218, publicado no Diário do Governo nº. 130, de 29/06/1922.

“Desde 2012 este monumento está afeto à Direção Regional de Cultura do Alentejo que ali tem realizado várias intervenções com vista à sua recuperação. Têm-se realizado várias empreitadas que nos permitiram recuperar parte considerável deste importante conjunto monumental. As condições financeiras da DRC ao longo destes anos não nos permitiram ainda recuperar todo o monumento”, revela a DRCA.

“A Direção Regional de Cultura do Alentejo quando se aproxima o final da sua missão em 31 de dezembro solicitou a colaboração da Arquidiocese, a quem muito agradece e muito em particular ao Senhor Arcebispo Dom Francisco, no sentido de podermos novamente abrir a Igreja ao culto regular encerrando assim a nossa missão ao longo destes 12 anos e passando a tutela para o PC IP (Património Cultural, Instituto Público com sede no Porto)”, conclui a nota da DRCA.

29 Nov 2023

3 de dezembro: Igreja do Espírito Santo acolhe 3.º Concerto do Festival Internacional de Órgão de Évora

No próximo domingo, dia 3 de dezembro, às 17h00, na igreja do Espírito Santo, em Évora, é apresentado o terceiro de onze concertos do FIOE – Festival Internacional de Órgão de Évora, que se prolonga até 14 de julho de 2024.
A jovem eborense Alice Rocha revisita o órgão romântico da igreja do Espírito Santo, construído por Cavaillé-Coll, para interpretar obras de Cesar Frank, holandês nascido em Liège; de Jean-Adam Guilain, nascido na Alemanha e do francês Louis Vierne.
O 1º Festival Internacional de Órgão de Évora – FIOE é organizado pela igreja de S. Francisco – Paróquia de S. Pedro e tem como parceiros o Cabido da Sé de Évora e igreja do Espírito Santo. Surge na sequência lógica do avultado investimento feito na recuperação dos órgãos históricos por parte destas entidades.
O Festival pretende ser um grande evento, em que todos os órgãos serão tocados por organistas de carreira sólida e de referência internacional e nacional, bem como divulgar o trabalho de jovens organistas com a possibilidade de manifestar a qualidade da sua arte.
Os concertos vão decorrer ao longo de aproximadamente um ano com início a 15 de outubro de 2023 e término a 14 de julho de 2024. Este é o festival que mais puramente se relacionará com a cultura do património material e imaterial de Évora.
Para acompanhar toda a informação deste 1.º Festival Internacional de Órgão de Évora pode consultar o endereço electrónico:
fioe.igrejadesaofrancisco.pt
Todos os concertos têm entrada gratuita.

23 Nov 2023

25 de novembro: Igreja de São Francisco acolhe 2.º Concerto do Festival Internacional de Órgão de Évora

No sábado, dia 25 de novembro, às 18h00, na igreja de S. Francisco, em Évora, decorrerá o segundo de onze concertos do FIOE – Festival Internacional de Órgão de Évora, que se prolonga até 14 de julho de 2024.
Será um concerto de “Música sacra em Portugal (c.1630-c.1830)”, a 4 ÓRGÃOS, com João Vaz, Sérgio Silva, André Ferreira e Beatriz Resendes, organistas e o coral CAPELLA DE S. VICENTE, direção de Pedro Rodrigues com Joana Timóteo e Salomé Monteiro, sopranos; João Coutinho e Marta Franco, altos; Dinis Rodrigues e Simão Andrade, tenores; Mateus Líbano Monteiro e Miguel Carvalho, baixos.
O 1º Festival Internacional de Órgão de Évora – FIOE é organizado pela igreja de S. Francisco – Paróquia de S. Pedro e tem como parceiros o Cabido da Sé de Évora e igreja do Espírito Santo. Surge na sequência lógica do avultado investimento feito na recuperação dos órgãos históricos por parte destas entidades.
O Festival pretende ser um grande evento, em que todos os órgãos serão tocados por organistas de carreira sólida e de referência internacional e nacional, bem como divulgar o trabalho de jovens organistas com a possibilidade de manifestar a qualidade da sua arte.
Os concertos vão decorrer ao longo de aproximadamente um ano com início a 15 de outubro de 2023e término a 14 de julho de 2024. Este é o festival que mais puramente se relacionará com a cultura
do património material e imaterial de Évora.
Para acompanhar toda a informação deste 1.º Festival Internacional de Órgão de Évora pode consultar o endereço: fioe.igrejadesaofrancisco.pt
Todos os concertos têm entrada gratuita.

15 Out 2023

De 15 de outubro de 2023 a 14 de julho de 2024: Primeiro Festival Internacional de Órgão de Évora

O primeiro Festival Internacional de Órgão de Évora terá início a 15 de outubro de 2023 e término a 14 de julho de 2024. No total contará com apresentação 11 concertos interpretados por artistas estrangeiros e nacionais, informou a Igreja de São Francisco, entidade que organiza o Festival.

O primeiro concerto do Festival é no próximo domingo, 15 de outubro às 17H00, na igreja do Espírito Santo, com interpretação de “QUATRO VENTOS”, projeto atribuído aos músicos António Esteireiro e Gonçalo Pescada.

O 1º Festival Internacional de Órgão de Évora surge na sequência lógica do avultado investimento feito na recuperação dos órgãos históricos pela igreja de S. Francisco, Sé de Évora e igreja do Espírito Santo.

O festival pretende ser um grande evento, em que todos os órgãos serão tocados por organistas de carreira sólida e de referência internacional e nacional, bem como divulgar o trabalho de jovens organistas com a possibilidade de manifestar a qualidade da sua arte. Os concertos, no total de onze, serão a solo ou com os mais diversos conjuntos vocais e instrumentais. Pretende ainda dar a conhecer o trabalho dos músicos que profissionais ou amadores, exercem a sua atividade localmente ou que de Évora são naturais.
Este é o festival que mais puramente se relacionará com a cultura do património material e imaterial de Évora.


Os Órgãos da Cidade de Évora

Construídos entre os séculos XVI e XIX, e com uma história que abrange 322 anos, os órgãos da cidade de Évora têm reconhecimento nacional e internacional.

A nível nacional, Évora assume extraordinária importância ao possuir o mais antigo conjunto de dois órgãos da Europa que datam de 1562 e que se encontram na Sé, um deles recuperado.

Existem também órgãos da escola Hamburguesa de Arp Schnitger que datam de final do século XVII e primeira metade do século XVIII, da autoria de Hulenkampf.

Tem ainda um dos mais importantes conjuntos de órgãos do genovês Pascoal Caetano Oldovino, construídos para as mais importantes igrejas da cidade e reunidos na igreja de S. Francisco.
Por fim, um órgão de Aristide Cavaillé-Coll de 1884, que se encontra na Igreja do Espírito Santo.

De notar que todos os organeiros eram de origem estrangeira.

Pelas características apontadas, as instituições responsáveis pelos instrumentos, têm feito um investimento necessário e significativo para conservar e recuperar os órgãos.

Desta forma, a igreja de S. Francisco entre 2018 e 2022 recuperou os quatro instrumentos da sua responsabilidade, criando um espaço onde pela primeira vez no Alentejo se podem escutar quatro órgãos do mesmo organeiro, em conjunto.

O Cabido Eborense executou uma obra de conservação necessária no órgão renascentista e restaurou o órgão barroco.

Pretende ainda pelo seu significado, recuperar um instrumento que possui tubos do antigo órgão renascentista que se encontrava em frente ao atual, lamentavelmente desmantelado nos anos 40.

A Sé terá novamente a oportunidade de recuperar, ainda que não plenamente, a possibilidade de haver música a dois órgãos como acontecia no renascimento.

Mais recentemente a igreja do Espírito Santo em colaboração com a igreja de S. Francisco, restaurou o seu instrumento romântico de Cavaillé-Coll, num

trabalho de resultado primoroso e brilhante.

Todos os restauros foram feitos por organeiros com as mais altas competências internacionais e especialistas nas especificidades da época de cada um dos instrumentos.
Sobre o programa do Festival haverá actualizações permanentes em facebook.com/s.francisco.evora
13 Out 2023

De 15 de outubro de 2023 a 14 de julho de 2024: Primeiro Festival Internacional de Órgão de Évora

O primeiro Festival Internacional de Órgão de Évora terá início a 15 de outubro de 2023 e término a 14 de julho de 2024. No total contará com apresentação 11 concertos interpretados por artistas estrangeiros e nacionais, informou a Igreja de São Francisco, entidade que organiza o Festival.

O primeiro concerto do Festival é no próximo domingo, 15 de outubro às 17H00, na igreja do Espírito Santo, com interpretação de “QUATRO VENTOS”, projeto atribuído aos músicos António Esteireiro e Gonçalo Pescada.

O 1º Festival Internacional de Órgão de Évora surge na sequência lógica do avultado investimento feito na recuperação dos órgãos históricos pela igreja de S. Francisco, Sé de Évora e igreja do Espírito Santo.

O festival pretende ser um grande evento, em que todos os órgãos serão tocados por organistas de carreira sólida e de referência internacional e nacional, bem como divulgar o trabalho de jovens organistas com a possibilidade de manifestar a qualidade da sua arte. Os concertos, no total de onze, serão a solo ou com os mais diversos conjuntos vocais e instrumentais. Pretende ainda dar a conhecer o trabalho dos músicos que profissionais ou amadores, exercem a sua atividade localmente ou que de Évora são naturais.
Este é o festival que mais puramente se relacionará com a cultura do património material e imaterial de Évora.


Os Órgãos da Cidade de Évora

Construídos entre os séculos XVI e XIX, e com uma história que abrange 322 anos, os órgãos da cidade de Évora têm reconhecimento nacional e internacional.

A nível nacional, Évora assume extraordinária importância ao possuir o mais antigo conjunto de dois órgãos da Europa que datam de 1562 e que se encontram na Sé, um deles recuperado.
Existem também órgãos da escola Hamburguesa de Arp Schnitger que datam de final do século XVII e primeira metade do século XVIII, da autoria de Hulenkampf.

Tem ainda um dos mais importantes conjuntos de órgãos do genovês Pascoal Caetano Oldovino, construídos para as mais importantes igrejas da cidade e reunidos na igreja de S. Francisco.
Por fim, um órgão de Aristide Cavaillé-Coll de 1884, que se encontra na Igreja do Espírito Santo.
De notar que todos os organeiros eram de origem estrangeira.

Pelas características apontadas, as instituições responsáveis pelos instrumentos, têm feito um investimento necessário e significativo para conservar e recuperar os órgãos.
Desta forma, a igreja de S. Francisco entre 2018 e 2022 recuperou os quatro instrumentos da sua responsabilidade, criando um espaço onde pela primeira vez no Alentejo se podem escutar quatro órgãos do mesmo organeiro, em conjunto.

O Cabido Eborense executou uma obra de conservação necessária no órgão renascentista e restaurou o órgão barroco.

Pretende ainda pelo seu significado, recuperar um instrumento que possui tubos do antigo órgão renascentista que se encontrava em frente ao atual, lamentavelmente desmantelado nos anos 40.

A Sé terá novamente a oportunidade de recuperar, ainda que não plenamente, a possibilidade de haver música a dois órgãos como acontecia no renascimento.

Mais recentemente a igreja do Espírito Santo em colaboração com a igreja de S. Francisco, restaurou o seu instrumento romântico de Cavaillé-Coll, num
trabalho de resultado primoroso e brilhante.

Todos os restauros foram feitos por organeiros com as mais altas competências internacionais e especialistas nas especificidades da época de cada um dos instrumentos.
Sobre o programa do Festival haverá actualizações permanentes em facebook.com/s.francisco.evora
29 Set 2023

Apresentação de livros na Igreja de Santa Clara, em Évora

No dia 22 de setembro, sexta-feira, pelas 18h00, na igreja de Santa Clara, em Évora, o Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho, participou na apresentação de dois livros, “A História do Ciganinho Chico” e “Conhece-me antes de me odiares”, da autoria do Dr. Bruno Gonçalves, promovida pelo Secretariado Arquidiocesano da Pastoral dos Ciganos.