Categoria: Família

09 Jun 2024

Escola Salesiana em Évora acolheu a FNO – Faith’s Night Out (com fotos)

Neste sábado, dia 8 de junho, decorreu mais uma edição da FNO (Faith’s Night Out) – Évora, organizado pelas Equipas Jovens de Nossa Senhora, que decorreu na Escola Salesiana, em Évora.

O Arcebispo de Évora participou neste evento, intitulado “Senhor, meu Deus, em Ti me refugio”.

 

06 Jun 2024

Encontro Matrimonial: 34ª Peregrinação Nacional a Fátima (com fotos)

Foi com grande alegria e entusiasmo que os casais e sacerdotes que fazem parte da grande família Encontro Matrimonial se encaminharam para Fátima na manhã do dia 24 de maio. No acolhimento, encontravam-se os casais da comunidade do Centro, que a todos receberam de sorrisos abertos e fortes abraços.
No auditório da Domus Carmeli, pelas 10h30, reuniram-se mais de uma centena de casais, famílias e alguns sacerdotes para assistirem à conferência aberta proferida pelo Dr Augusto Cury, que foi desafiado a partilhar sobre o tema “Conhece-te”, o lema escolhido pela Equipa Coordenadora Nacional (ECN) para este ano pastoral. O Dr. Augusto Cury começou por perguntar a todos se preferiam ser seus alunos ou simples espetadores. A plateia foi unânime ao responder-lhe “alunos” e a partir daí, num estilo simples e coloquial, enfocou todos os presentes no seu programa de gestão de emoções. Foi, de facto, uma grande lição sobre como cada um se pode conhecer. Na página “Encontro Matrimonial Portugal”, da rede social Facebook, encontra-se a gravação integral desta conferência.
De seguida, seguiu-se a Eucaristia, presidida pelo Pe. Luís Bairrada e concelebrada pelos sacerdotes António Cavadas (da Região Norte), Álvaro Lavarinhas (Região Sul) e João Rego (Comunidade do Centro).
Após o almoço, a comunidade rumou à Capelinha das Aparições, para a saudação e consagração a Nossa Senhora. A ECN Xana + Zé Eduardo c/ P. Luís Bairrada presidiu a este momento solene, agradecendo a Maria todas as graças e bênçãos recebidas e afirmando que a comunidade EM quer sair em missão, levando a alegria do “sim” a todos os casais, sacerdotes e religiosas que ainda não viveram o seu fim de semana de Encontro Matrimonial. Os cânticos, quer deste momento, quer da Eucaristia, estiveram a cargo da Região Norte.
A comunidade regressou ao auditório da Domus Carmeli, decorado pela Região Sul. À entrada, todos eram desafiados a tirar uma foto em casal, em equipa ou em família, tendo como fundo a “Parede do Encanto”, e usando adereços alusivos ao tema da tarde de comunidade “Conhece-te com Encanto”, baseado na história encantada da Disney “A Bela e o Monstro”. Quatro casais e um sacerdote conduziram a reflexão, de modo simples, genuíno e muito pessoal, com partilhas que a todos tocaram e enriqueceram. Esta atividade terminou com a distribuição de balões em forma de coração e uma dança em casal, ao som da música “A Bela e o Monstro”. A lembrança esteve a cargo da Região de Lisboa, que ofereceu a todos um espelho com a inscrição “Tu és único(a)”. No final da tarde, a ECN informou que já foram discernidos os novos coordenadores de Região ou Comunidade para o próximo triénio, sendo que para a Região Sul foi discernido o casal Sofia + Fernando Ludovico, ainda não constituído em equipa eclesial, pois encontra-se em fase de convite de sacerdote ou religiosa.
Após o jantar, a comunidade reuniu-se na Capelinha, para participar na recitação do terço e procissão das velas e, no dia seguinte, participou na eucaristia oficial no recinto do santuário, com o estandarte do EM a ser transportado pela Região dos Açores.
É nestes encontros que se vive o acolhimento, a fraternidade e a amizade que a todos une e é também nestes encontros que se sente a grande importância que a comunidade EM tem na vida de cada casal, cada família, sacerdotes e religiosas.
(As atividades referidas encontram-se registadas em foto e/ou vídeo nas redes sociais do movimento – Facebook e Instagram).
A Equipa Coordenadora da Região Sul
Fátima + Fernando c/ P. Luís Bairrada

29 Mai 2024

31 de maio: Mensagem da Comissão Episcopal do Laicado e Família para o Dia dos Irmãos

Se não formos fraternos, não somos humanos
O dia 31 de Maio é o Dia dos Irmãos. É uma iniciativa da Confederação Europeia das Famílias Numerosas que aproveitamos para salientar e valorizar o bem da família e da fraternidade humana.
A encerrar o mês da Família, ao falarmos dos irmãos estamos a lembrar os irmãos e as irmãs de sangue, aqueles que nasceram na mesma família e com os quais, naturalmente, estabelecemos um relacionamento fraternal espontâneo. Com os irmãos e as irmãs na mesma família crescemos e aprendemos a viver. Muitos ou poucos, o relacionamento com os irmãos é diferente do relacionamento com os pais, é o relacionamento com alguém que tem um estatuto semelhante e que goza dos mesmos afetos e apoio familiar.
Os anos em que vivemos como irmãos, em família e na mesma casa, deixam-nos memórias que permanecem para toda a vida. Daí a importância de uma família com bom ambiente humano, onde uma criança possa crescer com boas referências de apoio que a memória irá avivar ao pensar no caminho da vida em família em que o relacionamento entre irmãos foi experiência para aprender a viver em sociedade. A boa educação e apoio continuado na infância, adolescência e juventude é decisivo para a edificação de uma personalidade harmoniosa e rica de valores humanos.
É oportuno salientar a importância do crescimento no espaço e tempo da Escola. Um ambiente seguro com um companheirismo saudável entre colegas de turma, respeitabilidade pelos professores e outros funcionários, é decisivo para edificar pessoas felizes e uma sociedade mais fraterna. É necessário reconhecer que aquilo que distingue o valor dos irmãos não é o sangue, mas o espírito e o amor fraternal existente. Neste sentido, encontramos situações de fraternidade entre pessoas que se estimam como irmãos apesar de não terem a mesma origem familiar.
Para o Dia dos Irmãos queremos valorizar todos os que se assumem como verdadeiros irmãos e irmãs, que guardam uma estima especial. Embora não estejam sempre juntos, interessam-se e preocupam-se pelo seu bem-estar. Para quem nasceu numa família numerosa, por força das circunstâncias, desenvolvem-se cuidados de ajuda mútua muito cedo, mas também existem filhos únicos que são generosos e consagraram a sua vida a cuidar de outras pessoas.
A dimensão fraternal da vida humana é profética. Isto é, a sociedade mundial é chamada a ser uma família de irmãos e irmãs que se interessam uns pelos outros. As guerras e conflitos existentes em vários países denunciam que há muito caminho a percorrer para chegar à fraternidade mundial reconhecida por todos.
Também nos preocupa a sociedade portuguesa. As manifestações de ódio e o aumento de registos de violência e agressividade em Portugal, entre as pessoas da mesma família, contradizem o sonhado ambiente de fraternidade e de edificação da paz. Não desistamos, em família e em todas os espaços onde estivermos, pautemos a nossa existência em atitude de fraternidade.
Um homem ou mulher que segue na rua à nossa frente e cai no chão, inesperadamente, gera-nos um apelo espontâneo para ajudar a levantar e a estabelecer um diálogo. A dimensão fraterna está inscrita na nossa natureza humana. Se não formos fraternos, não somos humanos. Jesus reforça o apelo à nossa fraternidade, identificando-se com todo aquele que se apresenta necessitado de algum apoio: “o que fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes” (Mt 25, 40).
Não desistamos da nossa vocação humana à fraternidade com verdade.
“Francisco (de Assis) recebeu no seu íntimo a verdadeira paz, libertou-se de todo o desejo de domínio sobre os outros, fez-se um dos últimos e procurou viver em harmonia com todos”. (FT 4). Foi este pobre, mas grande Santo do amor fraterno, Francisco de Assis, que inspirou o Papa Francisco a escrever a Encíclica Fratelli Tutti (todos irmãos) onde nos desafia: “Sonhemos como uma única humanidade, como caminhantes da mesma carne humana, como filhos desta mesma terra que nos alberga a todos, cada qual com a riqueza da sua fé ou das suas convicções, cada qual com a própria voz, mas todos irmãos” (FT 8).
Acolhamos este desafio com o mesmo desejo confiante de São Francisco: “Senhor, fazei de mim um instrumento da vossa paz”.
26 Mai 2024

Peregrinação diocesana das Famílias congrega centenas no Solar da Padroeira (com homilia, fotos e vídeo)

Na manhã deste dia 25 de maio, realizou-se, como já é tradição, a Peregrinação das Famílias da Arquidiocese de Évora ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Vila Viçosa.
Às 10.00h, na Igreja dos Agostinhos, aconteceu o acolhimento da Imagem Peregrina de Nossa Senhora da Conceição, que acompanhou o Prelado eborense na Visita Pastoral Missionária que nos últimos meses percorreu as Paróquias dos Concelhos de Sousel e de Borba e algumas localidades do Concelho de Estremoz. Após o acolhimento, realizou-se uma Procissão até ao Santuário.
No Solar da Padroeira, pelas 11h30, o Arcebispo de Évora presidiu à Eucaristia, durante a qual se celebraram os Jubileus Matrimoniais dos casais da Arquidiocese de Évora que no corrente ano 2024 celebram as Bodas Matrimoniais de Prata (25 anos) e de Ouro (50 anos), assim como os casais que celebram os 10 e os 40 anos de matrimónio.

“Todos vós que celebrais jubileus de matrimónio sois para nós uma escola, uma cátedra de como devemos permanecer nesta fidelidade ao amor”

“Minhas irmãs, meus irmãos, sentimo-nos certamente todos felizes por nos encontrarmos juntos como Igreja, Igreja Particular da Arquidiocese de Évora, neste Santuário da Padroeira de Portugal e também Padroeira da nossa Arquidiocese”, começou por dizer na homilia o Prelado eborense, saudando todos os presentes que enchiam por completo a igreja do Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa.

“Sinto-me particularmente feliz por esta presença que nos faz sentir apoiados porque damos força uns aos outros. E sabemos que para além desta dimensão humana, que nos vem da nossa comunhão, unidade e presença, temos a promessa do Deus fiel: ‘onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles‘. Obrigado a todos por este conforto que me dais como bispo e obrigado a todos por este testemunho de fé”, prosseguiu D. Francisco Senra Coelho, saudando de modo especial todos os presentes, nomeadamente sacerdotes, párocos, diáconos, religiosos e religiosas, consagrados, seminaristas, acólitos, leigos e famílias.

“Olho para esta comunidade e fico feliz ao encontrar aqui a família. Fico feliz ao encontrar aqui os meus irmãos especiais, os amigos especiais, a Pastoral da Pessoa com Deficiência”, referiu o Arcebispo de Évora, deixando ainda uma palavra de agradecimento aos representantes das Paróquias e das localidades, nomeadamente dos concelhos de Borba e Sousel e de algumas localidades do concelho de Estremoz, que nos últimos meses receberam a Imagem Peregrina de Nossa Senhora da Conceição, no âmbito da Visita Pastoral Missionária 2024, sendo que nesta Peregrinação diocesana das Famílias, como é habitual, a Imagem Peregrina voltou ao seu Solar.

O Prelado eborense deixou ainda uma palavra de reconhecimento e agradecimento a todos os que “deram a sua vida em trabalho missionário nos últimos meses”, nomeadamente as consagradas e consagrados das Comunidades “Sementes do Verbo”, “Arca de Maria”, “As Pequenas Filhas da Mãe de Deus”, assim como os sacerdotes dos “Pequenos Filhos da Mãe de Deus”, que lançaram a semente, e os sacerdotes P. Tiago, P. Jerónimo, P. Luís Felipe.

Ainda sobre a Visita Pastoral Missionária, o Arcebispo de Évora agradeceu aos “leigos que abriram as suas casas. Foi belo encontrar famílias que de coração aberto, abriram a sua casa doméstica a todos. Não quero esquecer ninguém, por isso incluo todos neste louvor a Maria, Nossa Senhora”.

Depois D. Francisco Senra Coelho refletiu sobre a Palavra de Deus escutada, sublinhando que “a palavra de Jesus no Evangelho que acabámos de ouvir centra-nos no Amor”.

Recordando a encíclica “Deus caritas est” do Papa Bento XVI, o Arcebispo de Évora sublinhou os três termos que aprofundam a palavra “Amor”: “Philos”; “Eros”; e “Agape”.

“O Senhor diz exatamente que o que importa é que vos ameis. ‘Permanecei no meu amor’, esta dimensão profunda do mandamento novo ‘amai-vos uns aos outros como eu vos amei’”, sublinhou o Prelado eborense, explicando que o “Philos é a amizade humana”.

“Eros é o amor que une o coração desde os primórdios dos Génesis, Adão e Eva. É o amor que faz da família o berço natural da vida. Não há outro berço natural para a vida que não seja a família. O ser humano para se desenvolver de modo harmonioso e completo, precisa de uma família. Então, esse amor de marido e de mulher, esse amor que é natural, heterossexual, exclusivo, esse amor que tem uma dimensão de compromisso, uma sociedade não apenas jurídica, mas baseada na dádiva, que é a família. Queremos compreender que o cristianismo lhe acrescenta algo de fundamental: indissolúvel”, disse, acrescentando que “o amor é para sempre. O amor é a dádiva da vida”.

“Finalmente, o Papa Bento apresenta uma palavra que é Agapé, ou seja, o amor agápico. É o amor de Deus pela humanidade. É este amor profundo, único, que faz com que eu dê a vida pelo outro, o amor de Nosso Senhor Jesus Cristo. Neste amor não há maior do que dar a vida pelo irmão. Este amor que faz pagar a dívida do outro. Sofrer no lugar do outro, morrer no lugar do outro. É dar a vida pelo outro, pela sua dimensão, pela sua dignidade, enquanto ser humano. Vida inalienável e inegociável desde o primeiro momento da concepção até à morte natural. Vida que vale por si, que não necessita de apelos por nenhum outro motivo, senão pela vida humana”, explicou D. Francisco Senra Coelho.

Depois, olhando para as inúmeras famílias presentes, entre as quais os casais que celebram em 2024 os 10, 25, 40 e 50 anos de matrimónio, o Arcebispo de Évora disse que “é este momento que nos une e nos faz contemplar a família humana”, sublinhando três aspetos.

“O primeiro aspeto é muito simples: em vós, famílias, está um ícone deste amor de Deus. Pelo vosso sacramento do matrimónio felicito-vos, porque o viveis, alguns há mais de 50 anos, atingindo mais de 60 anos até. Todos vós que celebrais os 50, 40, 25, 10 anos de matrimónio sois para nós uma escola, uma cátedra de como devemos permanecer nesta fidelidade ao amor”, disse, acrescentando que “dais a vida um pelo outro, com toda a certeza, na flor mais bela do amor que é o perdão. Perdoar é morrer para si, é perder pelo outro. Aí acontece de facto Agapé”.

“A Igreja olha para vós com alegria, sente-se confortada porque vê a possibilidade da fidelidade, vós provais que é possível. A Igreja descobre em vós este dinamismo de compromisso, não vê em vós uma atitude passiva, mas uma atitude comprometida porque os anos são o melhor diploma da vossa fidelidade e cooperação com Deus. Esta é a primeira atitude que no coração da Igreja de Évora, nesta Peregrinação diocesana das Famílias, nós queremos sublinhar. Obrigado, Senhor, por estes casais. O seu cimento, que une as duas pedras, em momentos por vezes difíceis, são os seus filhos. Obrigado pelos seus filhos, que ajudam o compromisso a revitalizar-se, a refrescar e enxugar-se das dificuldades da vida e a continuar”, referiu.

“A segunda palavra que eu gostaria de deixar neste momento é como é importante percebermos que este dom do amor agápico vem de Deus. O Filho de Deus morreu por ti, nasceste salvo. Então ao olharmos para isto nós percebemos que temos que amar com o amor com que somos amados por Ele. Experimentar o Seu amor é fundamental”, desenvolveu.

“A família tem que ser uma família que reza, como referia a Epístola de São Tiago, que diz exatamente que temos que permanecer na oração. E há de ser na oração que nós experimentamos o amor do Senhor por nós quando nos levanta do chão, quando caímos”, apelou o Prelado.

“Para finalizar, como é importante meus irmãos, minhas irmãs estarmos aqui. As nossas paróquias todos os dias fazem muitas atividades. Os movimentos laicais e eclesiais têm muitas atividades. E a Diocese não tem assim tantos momentos comuns. Então, como é importante juntarmo-nos em Diocese, fazermos estes momentos juntos para experimentarmos de facto a beleza da comunidade, a Igreja. Porque o Senhor não nos quer sós, numa fé privatizada, mas o Senhor construiu a Igreja, a comunidade”, desafiou o Arcebispo de Évora, sublinhando que “é impressionante a beleza quando a Igreja se une. Como é bom ver os teus filhos reunidos, Senhor. Então eu dou graças e peço ao Senhor que a Diocese tenha cada vez mais esta consciência”.

“Em família, a Igreja tem que olhar para vós e aprender convosco a sermos família de famílias. Neste amor há um termo muito importante, em grego, diz-se Agón. Agón é um aspecto do amor agápico, é um amor que exige heroicidade, que nos dinamiza, um amor que nos dá força. É este amor que nós pedimos para a nossa diocese. Este amor que nós encontramos nas famílias que lutam, que trabalham e que nos dão este sinal”, sublinhou.

“Bendito seja Deus. Que Nossa Senhora nos mostre no seu amor dádiva, a estrada como Discípulos de Cristo, para mostrarmos o novo rosto da Igreja à Humanidade. Sermos este sinal de comunhão, unidade e esperança no mundo, para onde o Senhor nos envia como semeadores do seu Reino”, concluiu o Arcebispo de Évora.

Depois da homilia, o Prelado eborense abençoou todos os casais que celebram o seu jubileu.

No final da Eucaristia, todas as Famílias da Arquidiocese consagraram-se a Nossa Senhora.

Na conclusão da Eucaristia, o Prelado eborense agradeceu ao Departamento da Pastoral Familiar pelo seu trabalho, pela unidade de trabalho com o Departamento da Catequese e invocou com saudade e, ao mesmo tempo, homenagem de gratidão e sufrágio, o Padre José Maria Brito, “que caminhava convosco e que o Pai chamou a si de um modo para todos nós inesperado”.

“Bendito seja Deus, por cada família. Parabéns, aos que celebram os seus jubileus matrimoniais”, felicitou o Prelado eborense.

 

Arcebispo de Évora partilha encontro com o Papa Francisco

Ainda antes da bênção final, o Prelado eborense partilhou o diálogo que teve com o Papa Francisco, na visita “Ad Limina”. “Queria dizer-vos que na visita ao Papa não falei de mim. Nos momentos que me foram dedicados, falei de vós, do vosso amor ao Papa Francisco, do abraço que levava desta Igreja particular, da nossa lealdade e fidelidade ao sucessor de Pedro e da certeza que nós rezámos por ele, com ele”, revelou, confessando que o Papa Francisco “gostou muito de ouvir estas palavras e tem na sua memória, Évora, pela ligação que tem aos jesuítas. Ele pronunciou ainda algumas palavras de gosto por Évora, diocese, cidade, que sabe perfeitamente ser património da humanidade e capital da cultura, referindo-se ainda à responsabilidade da nossa evangelização”.

A Visita Pastoral Missionária em 2025 será nos concelhos de Alandroal e Redondo

Por fim, D. Francisco Senra Coelho anunciou ainda que “no próximo ano, querendo Deus, visitarei os concelhos de Alandroal e de Redondo. Que Deus nos ajude, que Deus nos alente nesta Visita Pastoral Missionária”.

20 Mai 2024

25 de maio, em Vila Viçosa, a partir das 14h30: Festival da Canção Jovem da Arquidiocese de Évora (com Vídeo)

No dia 25 de maio, vai realizar-se, como já é tradição, a Peregrinação das Famílias da Arquidiocese de Évora ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Vila Viçosa.

Neste âmbito, a partir das 14h30, decorrerá o Festival da Canção Jovem no Claustro do Seminário de São José, dinamizado pelo Departamento da Pastoral Juvenil da Arquidiocese de Évora que contará com a participação de 7 bandas/grupos de várias Paróquias da Arquidiocese, e para o qual “todos estão convidados a assistir”, convida o Cón. Francisco Couto, Diretor do Departamento diocesano da Pastoral Juvenil de Évora, em entrevista ao Podcast Ser Igreja.

 

 

 

20 Mai 2024

25 de maio, em Vila Viçosa: Peregrinação das Famílias da Arquidiocese de Évora ao Solar da Padroeira (com vídeo)

No dia 25 de maio, vai realizar-se, como já é tradição, a Peregrinação das Famílias da Arquidiocese de Évora ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Vila Viçosa.

Às 10.00h, na Igreja dos Agostinhos, acontecerá o acolhimento da Imagem Peregrina de Nossa Senhora da Conceição, que acompanhou o Prelado eborense na Visita Pastoral Missionária que nos últimos meses percorreu as Paróquias dos Concelhos de Sousel e de Borba. Após o acolhimento, realiza-se uma Procissão até ao Santuário.

No Solar da Padroeira, pelas 11h30, o Arcebispo de Évora presidirá à Eucaristia, durante a qual se celebrarão os Jubileus Matrimoniais dos casais da Arquidiocese de Évora que no corrente ano 2024 celebram as Bodas Matrimoniais de Prata (25 anos) e de Ouro (50 anos), assim como os casais que celebram os 10 e os 40 anos de matrimónio.

Este ano, dado que irão ocorrer os Congressos Eucarísticos (Nacional e Internacional), a Coordenação da Pastoral dirige um convite especial às crianças que celebram a Primeira Comunhão nas Paróquias da Arquidiocese de Évora para que participem na Peregrinação Diocesana das Famílias.

Após a Eucaristia no Santuário, haverá um almoço partilhado no Seminário de S. José de Vila Viçosa.

Pelas 14h30, decorrerá o Festival da Canção Jovem no Claustro do Seminário de São José, dinamizado pelo Departamento da Pastoral Juvenil da Arquidiocese de Évora que contará com a participação de 7 bandas/grupos de várias Paróquias da Arquidiocese, e para o qual todos estão convidados a assistir.

O encerramento oficial acontecerá pelas 16h30, após o qual na igreja dos Agostinhos, decorrerá um Concerto com o Coro Santo Amaro de Oeiras.

 

19 Mai 2024

19 de Maio- Encerramento da Semana da Vida (com documentos)

A escolha do tema da Semana da Vida 2024, «Da fragilidade (re)nasce a vida», que decorre de 12 a 19 de maio, tem por base o documento «Declaração Dignitas Infinita», sobre a Dignidade Humana, da Congregação para a Doutrina da Fé.

Todos os momentos celebrativos serão transmitidos on-line no Facebook do DNPF.

Partilhamos aqui os recurso para este este último Dia:

8 – 19 de maio – Semana da Vida

18 Mai 2024

7.º Dia da Semana da Vida – 18 de maio (com documentos)

A escolha do tema da Semana da Vida 2024, «Da fragilidade (re)nasce a vida», que decorre de 12 a 19 de maio, tem por base o documento «Declaração Dignitas Infinita», sobre a Dignidade Humana, da Congregação para a Doutrina da Fé.

Todos os momentos celebrativos serão transmitidos on-line no Facebook do DNPF.

Partilhamos aqui os recurso para este 7º Dia:

7 – 18 de maio – Semana da Vida

17 Mai 2024

6.º Dia da Semana da Vida – 17 de maio (com documentos)

A escolha do tema da Semana da Vida 2024, «Da fragilidade (re)nasce a vida», que vai decorrer de 12 a 19 de maio, tem por base o documento «Declaração Dignitas Infinita», sobre a Dignidade Humana, da Congregação para a Doutrina da Fé.

Todos os momentos celebrativos serão transmitidos on-line no Facebook do DNPF.

Partilhamos aqui os recurso para este 6º Dia:

6 – 17 de maio – Semana da Vida